“A maternidade está cheia de armadilhas.” Ontem ouvi isto e pensei … caramba! Está mesmo. Ouvi outras coisas como “hoje em dias os pais vivem com tanta pressão e nunca tivemos uns pais tão atentos como os de hoje! O filho cai e os pais estão logo ali e às vezes é importante cair … ”

Aliviou um bocadinho ouvir que se calhar somos nós que imprimimos muita pressão mas a verdade é que nós queremos ter resposta para tudo. Mais! Queremos ter certeza que a resposta que vamos dar é a correta! Não quero ser a mãe perfeita. Longe disso! Pode parecer um bocadinho básico mas desculpem lá eu quero ser feliz e transmitir ao meu filho que às vezes as coisas não correm como nós planeamos. Mas que estamos na luta. Todos os dias.

Desde que saí da faculdade que trabalho. O trabalho nunca me assustou. E não, não entrei para o mundo da rádio via cunha … Entrei através de um casting e fiquei. Antes dessa oportunidade ouvi muitos “nãos” e perante tal cenário fui entregar o meu currículo a uma loja e se o casting não tivesse corrido bem se calhar hoje estaria numa loja …

Aliás a propósito do “Se”, já viram o filme “Instantes Decisivos”? É com na Gwyneth Paltrow e é um dos meus favoritos. O filme anda a volta do “se”: se a personagem apanhasse um comboio a vida ia seguir um rumo … se perdesse o comboio a vida ia seguir outro. Adoro este filme e apesar de já ter alguns valentes anos, continua a ser um dos meus eleitos.

“E se eu tivesse seguido a minha vontade …?” Acho que andei algum tempo a pensar nisto … e demorei a chegar aqui. Não é fácil. Seguir a nossa vontade implica muita coisa. Com crianças ainda mais. Choramos, ouvimos coisas que não queremos, tentamos explicar o porquê o melhor que conseguimos e depois é esperar que o tempo ajude. Eu acredito que o tempo cura muita coisa. Tenho de acreditar.

No outro dia recebi uma mensagem no instagram de alguém que se separou faz pouco tempo e que queria saber se ia ser sempre tão dificil! Também estou a aprender. Ontem ouvi dizer outra coisa: “tem de ser mais firme”. Eu sou firme em muita coisa mas no que toca ao meu filho (e com a separação ) não sou tão firme assim. Fico sempre a pensar “Será que forço?” Estou a aprender e sempre que precisar vou pedir ajuda. Não sou orgulhosa. Não nasci ensinada e se há coisa que não pensamos é “ah quando eu me separar vou fazer isto ou aquilo!” Até podemos imaginar como é que as coisas vão correr mas do que sei, nada é como o esperado.

Sei que tenho semanas mais tranquilas que outras. Umas dou 10 passos para a frente, outras recuo 5. Uma coisa eu sei: não quero viver a pensar ” e se eu tivesse …” Por isso, sim tenho um longo caminho e com uma criança de 5 anos que faz muitas perguntas e que diz o que quer, não é fácil. Mas … lembrete: tenho de ser firme.

 

 

 

 

Comments

comments