Adorei. Bradley Cooper, Lady Gaga e a banda sonora. Tudo do início ao fim.

Sou suspeita porque a música é o meu mundo e tudo o que retrate esse meio, regra geral, eu gosto, mas atrevo-me a dizer que mesmo uma pessoa que não tenha grande afinidade com aquele meio vai gostar.

Em vez de Bradley Cooper como realizador podíamos ter tido Clint Eastwood (que eu também adoro) e em vez de Lady Gaga podíamos ter visto Beyonce no grande ecrã. Era assim que estava pensado mas … Beyonce desistiu do papel, Clint Eastwood também saiu do projecto e quando já se pensava que ninguém ia pegar neste remake (o original é de 1937) eis que Bradley Cooper decidiu arriscar. Pegou e a meu ver ganhou.

Como ator é excelente (e mais uma vez prova porque está entre os melhores) mas como realizador tinha as minhas dúvidas. Correu bem. Muito bem.

Lady Gaga. Uma supresa. Nunca fui grande fã e já por duas vezes comecei a ver o documentário no Netflix e nunca consigo acabar. Não perguntem porquê mas há qualquer coisa que não combina. Não sei se é do cabelo, da make up (pode parecer parvo, eu sei)… a verdade é que no filme, adorei. Com pouca make up e morena, só o vozeirão e o olhar e toda eu era pele de galinha! Mravilhoso.

 

Para este filme Bradley Cooper teve aulas de voz e de guitarra, algumas cenas foram filmadas durante os principais festivais de verão e é incrível como  mais do que uma vez dei por mim durante o filme a pensar que o Bradley Cooper dava ares ao Eddie Wedder! 🙂 Até no timbre!

 

A banda sonora é extraordinária. Saí da ante estreia a pesquisar no Spotify “Star os Born soundtack” e lá apareceu.  Hoje ainda não ouvi outra coisa senão Bradley Cooper e Lady Gaga. 🙂

 

 

Um cheirinho do que podem ver …

 

 

Tal como já vos disse adorei a banda sonora. Esta é uma das minhas favoritas.

 

 

Comments

comments